Sobre o Centro de São Paulo

Centro de São Paulo

Centro de São Paulo ou comumente Zona Central de São Paulo é a região administrada pela Subprefeitura da Sé, que engloba os bairros e distritos da Bela Vista, Bom Retiro, Cambuci, Consolação, Higienópolis (bairro), Aclimação (bairro), Brás (bairro), Liberdade, República, Sé e Santa Cecília.

Praça João Mendes em 1914



Não deve ser confundida com a região conhecida como centro expandido, utilizada eventualmente pela prefeitura de São Paulo em ações de planejamento urbano, a qual engloba também partes das subprefeituras da Mooca, Lapa, Pinheiros e Vila Mariana, ou com o Centro Histórico de São Paulo, que engloba apenas a parte mais antiga da região central.


Oficialmente, o Centro de SP é delimitada pelos distritos da Subprefeitura da Sé. No entanto, a percepção social daquilo que se chama "centro de São Paulo" varia e eventualmente inclui outras áreas da cidade.

Até a criação da subprefeitura o "centro" equivalia à região da antiga Adm. Regional da Sé, que também incluía os distritos do Brás e do Pari - atualmente Subprefeitura da Mooca -, interpretação também atual.

Centro de São Paulo em 1939



























A noção de "área central de São Paulo", porém, é mais ampla a depender do estudo que é feito a respeito da região e pode incluir centros financeiros como Avenida Paulista e Avenida Berrini.

Praça da República em 1933

Para Villaça, chama-se de "área de alta renda" a região que engloba todas as centralidades que são historicamente chamadas de "centro" e cujas imagens são ideologicamente associadas à imagem da cidade.

Esta região, entendida como o centro metropolitano, também é chamada de "vetor sudoeste" e concentra a maior parte da renda e dos empregos.

Degradação e revitalização


O Centro de São Paulo foi também o principal distrito financeiro da cidade até aproximadamente a segunda metade do século XX. A partir da década de 1970, por vários erros de sucessivos governos municipais e pelo desenvolvimento de outras áreas da cidade, muitas empresas começaram a se mudar para outros distritos da cidade.

Avenida São João em 1940 Novos centros financeiros começaram a surgir pela cidade e a sede de órgãos do governo do estado de São Paulo deixaram a região, como a transfência sua sede para o Palácio dos Bandeirantes no bairro do Morumbi (Zona Oeste de São Paulo).

Com o forte processo de degradação urbana e de queda na qualidade de vida, as pessoas de alta renda, além de artistas e intelectuais que viviam na região, também começaram a mudar-se para outras áreas da cidade.


Avenida Ipiranga x São João anos 40

Estação da Luz em 1938



O intenso processo de esvaziamento e degradação urbana na região trouxe várias consequências como o aumento das taxas de delinquência, economia informal, atos de vandalismo, falta de investimento privado em novos imóveis, depredação do patrimônio histórico, especulação imobiliária, prostituição, aumento no número de mendigos e consumo de drogas.

No início da década de 1990 começaram a surgir as primeiras intenções e movimentos por parte da sociedade (como a associação "Viva o Centro") e do governo (municipal e estadual) que tratavam da recuperação social, econômica, turística e cultural da região, iniciando um lento, porém constante, processo de revitalização.


Vários centros culturais foram criados ou recuperados, como a Pinacoteca do Estado de São Paulo, a Estação da Luz, o Museu da Língua Portuguesa, a Estação Júlio Prestes, a Sala São Paulo, o Theatro Municipal de São Paulo, o Mercado Municipal de São Paulo, o Palácio das Indústrias, o Museu Catavento, entre outros.

Rua Libero Badaró em 1941


Em 2008 foi criada uma nova forma de vigilância dos espaços públicos para a Zona do Centro SP, denominada "Aliança pelo centro histórico" que inclui esforços da prefeitura, da associação "Viva o Centro" e das empresas privadas da região.

O projeto tem o objetivo de proporcionar a qualidade total dos serviços públicos como: a segurança, a iluminação e a limpeza das ruas e praças e outros mais.

Outra importante iniciativa de recuperação da região central de São Paulo é o Projeto Nova Luz, criado pela prefeitura em 2004 e iniciado em 2005, tem por objetivo reformular por completo a área da atual "Cracolândia", local bastante degradado no centro da cidade, conhecido por ser ponto de tráfico e uso de drogas.

Praça da Sé em 1938


















Características sociais

A população total da subprefeitura da Sé, segundo o censo de 2000, é 374.002 habitantes, com renda média de R$ 2.335,54, sendo a região administrativa menos populosa da cidade, ainda que seja aquela com a maior oferta de equipamentos públicos e empregos.

Vale do Anhangabaú anos 70
Segundo dados do IBGE e da fundação SEADE a cada ano a zona central de São Paulo apresenta uma taxa negativa de crescimento demográfico que chega a -5% ao ano.

Esse fator convencionou-se chamar de degradação da regiã, pois segundo alguns especialistas, com o afastamento das elites das áreas centrais, ocorre o afastamento da zeladoria pública, levando a uma sensação de abandono.

Mappin no Centro de SP em 1983


Apesar de apresentar uma renda da média superior a de outras regiões do município, possui uma grande quantidade de moradores de rua e bolsões de pobreza, como a região da "Cracolândia" (a qual tem sido recentemente alvo de um processo de "revitalização" por parte da prefeitura, o qual é acusado por especialistas de tentar promover "higienização social" e a gentrificação).

É ponto de entroncamento das vias principais da cidade, e também a região mais bem servida de transporte público na cidade, sendo atendida por todas as linhas de metrô, com exceção da Linha 5.
Viaduto Boa Vista sobre Ladeira General Carneiro


É também a sede de algumas das principais instituições de ensino superior da cidade, como a Universidade Mackenzie, a Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e unidades da Universidade de São Paulo, como a Faculdade de Direito, o Centro Universitário MariAntonia e a sede dos cursos de pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.



Dica do Encontra Centro São Paulo


Foto por @dearaujo

Edíficio Altino Arantes, Prédio do Banespa
Um dos símbolos mais famosos de São Paulo, o Prédio do Banespa (também apelidado de Banespão) proporciona aos visitantes uma das vistas mais incríveis da cidade.
Do alto de seus mais de 160 metros é possível avistar em 360° a região central e as zonas Norte e Leste da capital, inclusive as torres da Avenida Paulista. A visita é gratuita, mas infelizmente só acontece de segunda a sexta em horário reduzido.

Theatro Municipal de SP

Para homenagear a comunidade de moradores desta maravilhoso bairro, o Encontra São Paulo criou o Encontra Centro de São Paulo

Fonte: Wikipedia

Blog do Guia do Centro de São Paulo

Receba notícias por e-mail
Cadastre-se e receba notícias do Centro SP por email
 

Dados Principais sobre o Centro de São Paulo

População 431.106 Hab.
Renda média R$ 2.335,54
IDH 0,928 - muito elevado
Subprefeitura
Distrito -
Área Geográfica 27 km²

Vídeo sobre o Centro de São Paulo
Veja mais vídeos sobre o Centro de São Paulo

Mapa do Centro de São Paulo

 

Moradores ilustres do Centro de São Paulo

 

   

  Sobre o EncontraCentrodeSP
Fale com EncontraCentrodeSP
Anuncie no EncontraCentrodeSP
Cadastre sua Empresa no EncontraCentrodeSP (grátis)



Termos EncontraCentrodeSP | Privacidade EncontraCentrodeSP


Bandeira da cidade de São Paulo